sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Quando a gente é a vítima

(fonte:google imagens)

Aconteceu tanta coisa ontem que estou ainda meio tonta.

Primeiro as coisas boas:
1)Completei 32 semanas de gravidez!
2)Foi minha formatura no Curso de Formação de Escritores da Unisinos.

As coisas não tão boas:
1)Não pude comparecer à Formatura por causa do repouso e também pela gripe A, já que haveria aglomeração de gente no local.
2)Fui assaltada em São Leopoldo, próximo à Unisinos, quando chegava na Universidade, com minha irmã de motorista no meu carro, e meu sobrinho de oito anos no banco de trás. Íamos pegar meu diploma no setor de registros, já que não fui à solenidade e pedi para minha irmã dirigir até a Unisinos. Foi tudo muito rápido, 8 da noite, a Avenida Unisinos ainda movimentada com os alunos retardatários chegando, só sei dizer que um Polo vermelho cortou a frente do meu carro e parou à nossa frente, o que obrigou minha irmã a parar o veículo para não bater. Imediatamente desceram dois sujeitos armados vindo um pelo lado do carona, onde eu estava, e outro do lado do motorista onde estava minha irmã. Só deu tempo de abrir a porta e pedir calma, que eu estava grávida e havia uma criança no banco de trás. Consegui descer, abrir a porta de trás e chamar meu sobrinho que estava acordando sem entender direito. O Cara que abordou minha irmã queria que ela embarcasse no banco de trás. Por sorte, ele entrou no veículo e assumiu a direção, momento em que aproveitei para chamar minha irmã, que parecia meio embasbacada, a vir para a calçada e a não embarcar no carro. Ela veio, e os bandidos saíram, levando o carro, nossas bolsas, documentos, telefones e dinheiro. Senti mais por uma manta que eu tinha terminado de tricotar com todo o carinho para o Gustavo e que também se foi.
Foi horrível, mas depois a gente ficou pensando todas as tragédias que poderiam ter acontecido e deu Graças a Deus de estar viva.
3) O Gustavo foi para São Leopoldo nos buscar e, na volta, comecei a sentir minha barriga doer, achei que estava me dando contração e fomos parar na emergência do Mãe de Deus. Felizmente estava tudo bem e pude retornar para casa.
4) Quase não dormi à noite preocupada, relembrando todo o tempo a cena do assalto.
5) Passei o dia de hoje providenciando o cancelamento de cartões, telefone, acionando seguro, trocando fechaduras, etc, além de que terei que refazer todos os meus documentos. Ironia: nem posso pedir o carro reserva do seguro porque nem eu, nem minha irmã, temos carteira de motorista por ora.

Diante dessa quadro negativo, acho que posso acrescentar pelo menos mais duas coisas boas:
3) Sobrevivemos a um assalto, apenas com danos materiais - vão-se os anéis, ficam-se os dedo: Estamos vivos, ninguém foi levado junto, nem foi ferido.
4) Apesar do susto e da adrenalina, meu bebê aguentou firme e não nasceu prematuro.

Eu nunca tinha sido vítima de assalto. Nessas horas a gente sente que os bens materiais perdem totalmente o valor frente ao que poderia ter se perdido e que dinheiro algum poderia comprar. Qualquer detalhezinho diferente poderia ter resultado em tragédia. Só posso agradecer a Deus por ter nos protegido naquele momento e não ter permitido que nada de mal nos acontecesse.

2 comentários:

Ana Paula disse...

Oi Angela.... minha nossa, que situação dificil que vcs passaram, estou pasma até agora.
Que bom que vcs sairam ilesas, apesar de perderem as coisas, dos males o pior.
Eu na minha correria não pude ler ontem o blog, e hj quando li tive essa supresa.
Mas vamos ficar com a melhor parte da história... 32 semanas, logo logo ele estará chegando e te enchendo de alegrias....
Bjinhos

Angela Dal Pos disse...

obrigada Ana Paula. Agora já estou mais calma e procuro não pensar mais nisso para não me estressar nem ao bebê.Um beijo