quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Sol ou não-sol

(fonte: google imagens)
O dia está lindo, com um sol delicioso. Dá vontade de se atirar e ficar lagarteando.
Sol no inverno é de gripe, diria minha avó. Xô, gripe nem pensar! Já tive a minha esse ano, não era a gripe A, Graças a Deus, ou talvez eu não estivesse mais aqui no convívio de vocês. Sim, porque essa gripe nova pegou as grávidas sem aviso prévio, e a gente nem sabia direito o que estava acontecendo ou como agir.
A médica que acompanha meu pré-natal mandou eu pegar sol no mamilo, sabe? Para deixar ele mais resistente para a amamentação. Dilema. Amo sol, mas depois dos 30 tenho fugido dele (ops, entregando a idade), ou tomado com muita moderação, nos horários certos, por causa do envelhecimento da pele, radicais livres, câncer e tudo o mais. Bronzeamento artificial, então, nem me pagando! Vocês viram as recentes notícias de que está comprovado que as tais lâmpadas causam câncer de pele? Parece inclusive que a ANVISA vai proibir o uso do equipamento. Para mim, não muda nada. Abandonei essa prática há anos, porém os adeptos devem tomar cuidado.
Eis que, assistindo uma entrevista na TVCOM, um médico falava à Tania Carvalho que o sol não é o vilão da história. Pelo contrário, as pessoas estão adoecendo por falta de sol. Todos já devem ter ouvido falar que o sol é importante por causa do cálcio que fornece ao nosso organismo. Então, que todos precisam de uma dose de sol por dia para repor esse elemento. Só que com a história de que o sol faz mal, a gente tem fugido dele como diabo da cruz, ou se enchido de camadas de protetor solar 150 para a exposição. E daí que o corpo acaba sofrendo com outros problemas pela falta de sol.
Confesso que fiquei meio chocada com a informação de que o filtro solar filtra também os benefícios do sol no organismo. Não sou especialista para contrariar, mas me pergunto: será?
De qualquer modo, vale sempre a regra do bom senso. O excesso faz mal. Ou seja: deveríamos nos entregar, se possível, a um solzinho, cedo da manhã, por alguns minutos, sem protetor solar, só para absorver o que ele tem de benéfico. Pode ser durante uma caminhada antes do trabalho, ou apenas enquanto você lê o jornal na varanda. Mas é aquele sol fraquinho, viu? Aquele que parece que não dá nada, que nem bronzeia. Aos poucos, a gente vai perdendo a palidez do inverno. Se não, pelo menos vai nos deixar mais animados e bem-humorados. E, desse efeito, ninguém duvida, certo?

3 comentários:

Claudia Bins (Cacau) disse...

Oi Angela,

Também tomei sol de topless para fortalecer os mamilos... não adiantou muito não, mas a sensação era bem boa! Dá uma liberdade!
outra dica é andar sem sutiã, para a pele roçar na roupa. No começo é meio dolorido, mas a gente esquece vendo a carinha de satisfação do neném...ai que vontade de ir pra rua... e eu aqui no estcritório!

Beijo

Ana Paula disse...

OI Angela...
Lá vai minha dica pro mamilo... sempre que sair do banho, esfregue a toalha mais fortemente no mamilo... ajuda muito...
Bjinhos

Angela Dal Pos disse...

Queridas Claudia e Ana Paula, obrigada pelas dicas, vou adotar!
beijo e bom final de semana.