quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Reparando os estragos

Estou comprovando na pele o que a falta de sono faz. Eu já tinha lido que ela prejudica a pessoa em muita coisa, mas principalmente na memória e na criatividade. É vero! Ando mais esquecida do que jamais fui e minha criatividade está a zero. Basta ver minha produção literária, que anda parada, parada. Desculpem aqueles que gostam do que escrevo.
Esquecida eu sempre fui, mas a esse ponto, de não lembrar o que almocei ou o que falei ontem, não tinha me acontecido. Eu disse? Você me contou isso? Ou então repito a mesma história quinhentas vezes para a mesma pessoa. Caduquice total.
Certo, é natural, pois tive bebê e estou dispensando-lhe cuidados na madrugada. Tem quatro meses já que isso acontece e me pergunto que danos irreversíveis terei num futuro próximo. Mãe fisicamente padecendo no paraíso, porque, é claro, que não me arrependo de nada e todo esforço é com muito amor. Apenas estou catalogando as baixas.
Deu para notar também como a constância quanto à alimentação saudável e a prática de esportes fazem diferença a longo prazo. É que, durante a gravidez, me descuidei um pouco e acabei engordando dezessete quilos. E ainda fiquei os últimos três meses de cama, com risco de parto prematuro, e, assim impedida de qualquer exercício físico. Resultado: está muito difícil de voltar ao meu peso. Mais do que isso, de entrar em forma, pois estou sem pique nenhum para a malhação, logo eu que era toda atleta. Sinto-me com cem quilos acima do peso e não apenas com os oito que quero perder. A caminhada é difícil, a corrida parece algo inatingível. É como se tivesse que começar tudo do zero, que estivesse sem qualquer condicionamento. Comer pouco, ou saudável também é algo que parece que vai me matar – de fooome!
Não é nem questão de estética – a busca do corpo perfeito – mas de saúde mesmo, de sentir-se bem, de poder fazer as tarefas simples do dia a dia, como cuidar do meu bebê, por exemplo, sem se sentir tão exausta. É claro que, se eu fizer as pazes com o espelho, terei igualmente dado um passo na direção da reconquista da minha autoestima.
Se serve de alguma coisa a experiência de alguém, não abandonem a academia e os hábitos saudáveis, logo ali o corpo se ressente e reclama. Se não estiverem dispostos, diminuam o ritmo um dia ou dois, mas retomem assim que possível. Uma boa noite de sono, para quem pode, ajuda em todo o resto. Você fica mais disposto para malhar, para manter a dieta, para trabalhar, para criar, para o que te dá prazer.
Quero muito me encontrar com o que eu era antes, assim serei uma mulher completa, já que, como mãe, estou plenamente realizada. Os textos e minhas roupas tamanho 38 que me aguardem! Caber nelas significa retomar o controle, caber em mim mesma. Ando confusa na administração dos excessos.

7 comentários:

Ana Paula disse...

Me encontro no teu texto, um desabafo talvez, mulher quando vira mãe abre mão de tantas coias... e muitas vezes só enxergam o filho, deixam de olhar para elas, o que acaba baixando a auto estima.
Filho é muito bom, mas da trabalho...
O meu conselho... vai passar, e um dia a gente ri disso...

Claudia Bins (Cacau) disse...

Ai amiga, sei tão bem de tudo isso que você conta...e isso que tive sorte com a Manoela, que desde o terceiro mês dorme a noite toda. MAs ainda assim, lembro muito bem da sensação da primeira noite inteira de sono!!! Inesquecível!

A Ana Paula tem razão, vai passar!

Beijo grande,

Cacau

Anônimo disse...

Dra. Ângela,

Adoro o que tu escreves, acompanho o blog direto. Quanto ao post de hoje, não se preocupe!
Mesmo que com a " criatividade a zero" como referes, todos os textos que tens escrito atualmente são ótimos.
Gosto muito de ler os post´s pós-show, pois têm tanta clareza que consigo sentir direitinho o clima de cada um deles, bem legal.
Em especial, a graça do sem graça é bárbaro! é a total realidade do que acontece no nosso litoral. Penso igual.
Bjs,
Taís

Angela Dal Pos - Morena de Pintas disse...

Meninas, obrigada pela força! Taís que surpresa encontrar seu comentário aqui, fico muito feliz que aprove o conteúdo do blog. É pensado com muito carinho. Volte sempre. Bj

Fabiana Campagna disse...

Angela, Angela... não tenta te encontrar com o que eras antes, pois é impossível. Falo isto, pois senti coisas parecidas com o que sentes, engordei 19 quilos por puro prazer de comer o que bem entendia e na hora que queria (me recusei a controlar o peso dentro do consultório médico!). Eu fiquei acima do meu peso por um longo período, sem tesão para malhar e, inclusive, para transar. Cuidar de um serzinho tão pequeno é gostoso demais, mas também cansativo.Carol hoje tem 7 anos e é uma menina forte, que me dá feedbacks incríveis. Vale a pena tudo! Bom, mas quando digo pra não tentar te encontrar no que eras antes, é o seguinte: não é possível, pois daqui a pouco estarás mais bonita do que eras, tuas roupas 38 entrarão com facilidade (e se ficares no 40, tudo bem), e tua paixão pela vida e por escrever expandirá ainda mais. É só questão de tempo. Mas olha só. Está tudo como tem que ser. Exatamente como tem que ser. Continua escrevendo! Bj.

karla siqueira disse...

Calma angela! Estamos contigo; e concordo sobre as horas de sono, é verdade mesmo. Calor,dormir menos, comidas pouco saudáveis, isto é o verão. Eu passei por isso, fiquei um mês sem o meu pilates, e adivinha?senti o mesmo que tu. Mas temos que ter paciência que tudo volta ao normal. Super beijos

karla siqueira disse...

Calma angela! Estamos contigo; e concordo sobre as horas de sono, é verdade mesmo. Calor,dormir menos, comidas pouco saudáveis, isto é o verão. Eu passei por isso, fiquei um mês sem o meu pilates, e adivinha?senti o mesmo que tu. Mas temos que ter paciência que tudo volta ao normal. Super beijos