sábado, 21 de março de 2009

O conteúdo das meinhas vermelhas


Alguns ficaram surpresos (inclusive eu)com a notícia de que vou ser mamãe. Mas a idéia não é nova, há tempo esse desejo me acompanha. Só que não é assim tão simples ter um filho hoje em dia. Depois de muito pensar, eu e o Gu achamos que para 2009 estava bem, então...que foi mais depressa do que pensávamos e eis que vamos rechear as meinhas vermelhas logo logo. Para provar que não foi descuido, compartilho esse momento de emoção com uma crônica que escrevi ano passado, em setembro:

Bisbilhotando as prateleira da loja, comovi-me com um par de meinhas vermelhas de bebê. Meu instinto materno aflorou imediatamente. Imaginei um bebezinho dentro delas chacoalhando os pezinhos no ar e sorrindo, afinal estava quentinho, sequinho, e tinha um par de meias vermelhas, rechonchudas para tentar pegar. Que mais ele quereria da vida? Enquanto isso, a mamãe coruja observava-lhe todos os movimentos, entretida com aquela brincadeira. Criança é casa cheia, não há lugar para o tédio. Vai sempre surpreender com um novo gracejo.
Comprei as meinhas. A idéia havia me feito sorrir, pois imaginei o filho que ainda não tinha.
Sentimentos confusos de medo e dúvida de como seria a vida depois da vinda de uma criança me fizeram, como fazem várias mulheres da minha geração, adiar uma gravidez. No entanto, chega uma hora que parece que o desejo e a felicidade de poder cuidar de um serzinho superam a instabilidade emocional e começam a falar mais alto. Daí que comprei as meinhas vermelhas e bichinhos de pelúcia. A próxima etapa talvez seja a da mamadeira e das roupinhas. Depois só falta tornar o bebê real, o que não é tão simples assim, pois implica em abdicar várias coisas, além de demandar uma estrutura de casa, marido, finanças que nem sempre estão em equilíbrio ou existem no momento que se decide ter filho.
Minha amiga teve bebê recentemente, e fiquei eu imaginando como seria a sensação dela ao ver a carinha da filha pela primeira vez. Deve ser uma das maiores emoções que alguém pode ter. Cobertor para a alma e o coração. Penso que a pessoa nunca mais se sente sozinha e encontra um outro sentido para sua existência. Como na época da infância, voltamos a brincar de bonecas, sem querer, imitando o que nossas mães faziam e diziam para a gente. Gotinhas de amor transferidas através do leite, das palavras, do banho, das canções de ninar, das historinhas infantis, das noites insones, do sorriso, do beijo, do abraço.
No meu caso, por enquanto, visto meus sonhos com meinhas vermelhas e mantenho aquecidas as lembranças do que ainda não tenho.

14 comentários:

Gustavo Barreto disse...

O próximo passo é comprar uma camisa do flamengo! Amo você!

Anônimo disse...

Oi adorei.... Não posso te explicar o que é ser mãe, porque é um sentimento inexplicável, algo único.... Medo sim, se sente talvez por sermos mães de primeira viagem, mas nada que o instinto materno não nos ensine... A mãe natureza é sábia.... Aproveita esse momento único na vida de uma mulher e já me contarás o que se sente por um filho......... Beijos te amo..........

Teresa Azambuya disse...

Fiquei muito feliz por ti, Ângela!
A maternidade muda a gente completamente, muda pra melhor. Não só porque nos tornamos mães ou adquirimos habilidades a mais (como trocar fraldas, preparar mamadeiras ou cozinhar aquele prato que seu filho adora). Mas porque nos tornamos pessoas melhores, com certeza. Vemos a vida com outros olhos, mais sensíveis.
Aproveite muito este momento, cada momento, pois são únicos, especiais e, principalmente I-NES-QUE-CÍ-VEIS.
Bjão e parabéns!

Maria Valéria disse...

Parabéns Angela!

Miréia Borges disse...

Parabéns Angela!
Ser mãe é algo maravilhoso, sempre me senti nos céus, agraciada, amada, realizada por ter siso mãe por três vezes.
Essa história das meinhas vermelhas farão um bem enorme para teu ou tua pimpolho(a).
Fiquei emocionada ao ler o texto, parabéns novamente e curte cada momento dessa gravidez.

Anônimo disse...

Oi Angela!
O baby sempre vem na hora certa, prova disso são os chamados da alma da gente, comprando bichinhos de pelúcia ali e meinhas vermelhas acolá... A coluna tá emocionante!
Só não te esquece do estoque de fraldas!
Gr bj, Ana Paula

Dino disse...

Parabéns, Angela!
Como alguém já disse aqui, ter um filho é uma sensação inexplicável, única.
Certamente, a gestação, depois, o parto, em seguida o dia-a-dia do crescimento dessa criança renderá muitas e muitas crônicas, tão sensíveis quanto esta, para nosso deleite!
Bjos!

Kelli Pedroso disse...

Oi, querida amiga! Foi muito bom reler a tua crônica. Desta vez, li emocionada, pois o "feijãozinho" já existe e, logo, logo, estará usando as meinhas vermelhas. Toda a felicidade do mundo para vocês, hoje e sempre. Beijo!

Clau RS disse...

Dra. Angela!!!

parabénsssssssssss!!!
Que vocês três sejam muito,mas muito felizes... Desejo toda a felicidade do mundo!

Beijos,
Cláudia Dal Pozzo.

Clau RS disse...

Dra. Angela!!!

parabénsssssssssss!!!
Que vocês três sejam muito,mas muito felizes... Desejo toda a felicidade do mundo!

Beijos,
Cláudia Dal Pozzo.

Clau RS disse...

Dra. Angela!!!

parabénsssssssssss!!!
Que vocês três sejam muito,mas muito felizes... Desejo toda a felicidade do mundo!

Beijos,
Cláudia Dal Pozzo.

Anônimo disse...

Meus parabéns! Vouprovidenciar umas meinhas azuis pra essa criança! Beijo, Mara

mar disse...

Ângela e Gustavo,
Todos já felicitaram, falaram que é super ter filhos, mas o que ainda não contaram,(talvez por não conhecerem o ditado,)é que meias vermelhas como primeiro 'presente,' "dizem", é para meninos!
Será que está chegando um gurizinho por aí? No meu caso deu certo ! ;-) Marília

Márcia disse...

Angela,

parabéns pelo aumento na intensidade de vida que terá ao ser mãe. Apesar do pouco contato que temos, sinto, o quanto você sente a vida.

Desejo muito amor e paz neste novo momento. Grande beijo e super parabéns a todos os bons vermelhos da sua vida.
Márcia Tolotti